À bientôt Paris! Minha primeira vez em Paris foi providencial

Image credits: Jeanne Damas

Image credits: Jeanne Damas

by Roberta Drable

Olá, sou a Roberta, tenho (quase) 38 anos e me desliguei do meu último emprego às vésperas de embarcar de férias para Paris pela primeira vez. 

Sim, essa foi a grade mudança que eu contei em meu anterior texto. Não entrarei em detalhes, apenas digo que valeu a minha paz. Mas me preocupou, claro.

Então, quando tudo aconteceu, eu só pensava na loucura que seria manter essa viagem (impressionante como o botãozinho da culpa aciona diuturnamente em nossa cabeça, não é mesmo?). Noites mal dormidas, preocupações insanas, até que levei um cartão amarelo do marido. Pensei: “vamos desligar esse lado da massa cinzenta”. 

E o fiz. Foi uma “ginástica” intensa, mas guardei a vida passada em uma caixinha e aproveitei o momento. Até porque era a minha primeira (e tão sonhada!) vez na cidade e sofrer em Paris vamos deixar apenas para aquelas cenas de filmes.

E foi o melhor que eu fiz. Por mim e por minha sanidade. Gente, que cidade incrível, em que não sabemos em que ponto fixar com tantos cantinhos espetaculares.

Mas o que também me chamou a atenção foi o lifestyle parisiense. Eles aproveitam a vida, eles param em suas rotinas, algo que eu, há muito tempo, havia esquecido.

Quem me conhece sabe que sou coffee lover de carteirinha e eu não sabia mais o que era apreciar um café. Sério. Nem na minha casa, no meu ‘tempo livre’. Tudo era corrido, como se eu estivesse em uma maratona.

Claro que de férias, fiz questão de realizar vários “pit stop” em diferentes cafés e, conforme o fim da tarde chegava, eu observava as pessoas chegando, sentando, pedindo os seus cafés e conversando, curtindo o momento... sem olhar para os seus celulares! 

Também não senti aquela cobrança do perfeccionismo... mulheres lindas e super estilosas, de cara limpa e cabelos bagunçados. E está tudo bem!

Caramba, em que momento deixamos de aproveitar as pequenas coisas? E assim concluí que pausas são necessárias, são vitais. Ainda não sei o que me espera, mas o aprendizado dos franceses eu levarei sempre comigo.

Paris, além de ser uma inspiração a céu aberto, nos ensina a apreciar a vida e a desacelerar. Muito, muito obrigada por tudo e espero voltar a te encontrar em breve!

E aí, já aproveitou o seu cafezinho hoje?

by Roberta Drable