Em quem você pensa quando está se vestindo?

em-quem-você-pensa-se-vestindo-lolla.png

Meu marido diz que as mulheres se vestem para a outras mulheres. Será?

Por tudo que eu tenho observado, principalmente no tempo trabalhando com consultoria de imagem, nosso foco na hora de se vestir pode ter uma série de variantes: maturidade, personalidade, imagem profissional e estado civil. Mais alguma?

As três últimas me parecem um tanto óbvias. Então, queria falar um pouco mais sobre a primeira, a maturidade.

Com o passar dos anos, nosso olhar sobre as coisas e nossas prioridades mudam. No meu caso, posso dizer que elas mudaram drasticamente. Tenho amigas que me falam que, às vezes, eu pareço uma senhora de 90 anos falando sobre meu ponto de vista. Talvez elas estejam certas. O fato é que eu, na casa dos quarenta e estudiosa do comportamento e da imagem das mulheres, tenho hoje uma visão mais suave sobre o “vestir-se”. Como já disse aqui mesmo no Lolla, quando fui entrevistada pela Rosa no ano passado, meu olhar crítico suavizou. Na entrevista, eu falava em relação aos outros. Mas agora quero esclarecer que esse olhar se tornou mais tolerante comigo própria.

E por que com o passar dos anos?

De uma forma geral as histórias acontecem assim:

1. quando somos pequenas, queremos agradar a família. São nossas mães que nos vestem. Algumas com mais imposição, outras nem tanto. Mas a orientação vem delas inevitavelmente;

2. Jovens, queremos fazer parte de um grupo. Quase todas nós procuramos usar o “uniforme” definido pela tribo;

3. Adultas, variamos nosso foco entre vestir-se para as amigas (marido tem razão!), mas também se vestir para o amor de nossas vidas, que tanto queremos encantar (e o maridão reconhece isso.... quase sempre);

4. Maduras, começamos a nos questionar o que realmente importa. É então que concluímos que está na hora, antes que seja tarde demais, de nos importarmos com nós mesmas, acima de tudo. Cai a ficha que “eu” sou valiosa, que “eu” finalmente sei o que gosto, que “eu” serei admirada pela minha autenticidade, que “eu” sou mais “eu”.

E a sua ficha? Já caiu?