Encontrando a liberdade em Pessach

pessach-lolla.jpg

De uns anos para cá, Pessach virou a minha festa judaica preferida.
Isto porque, depois de muito tempo, acho que comecei a entender o real significado desta passagem.

Continuo achando a reza do jantar longa e não gosto de matzá. Mas, fiquei fascinada pelas idéias subjetivas (porém, muito objetivas) que esta festa carrega. 


A famigerada história do bebê que é abandonado pela família para ter sua vida salva e torna-se um homem com poderes inimagináveis finalmente fez algum sentido:

Após o “abandono’ Moisés cresce em um ambiente estranho e nele passa por tormentas terríveis, para depois ficar 40 anos vagando num deserto estreito e cheio de insatisfações. Até que a dor de ficar neste lugar vira insuportável. Assim, ele decide vencer seus medos e se jogar no mar SEM SABER NADAR, apenas confiando em D’us. E chega à terra prometida. O MAR SE ABRIU. 
Esta história diz MUITO sobre mim e, talvez, sobre cada um de nós. Sobre vulnerabilidade. Sobre enfrentar medos. Sobre a importância de assumir riscos e perder o controle.

Sem perceber, somos prisioneiros de nossos desertos, nossas zonas de conforto. O medo do desconhecido nos apavora tanto, que passamos anos achando que esta é a única forma de ser feliz, já que o maná sempre cai do céu.

Quando, finalmente, temos a coragem de nos jogar ao mar sem saber nadar é que a mágica acontece. 


Dá desespero, ficamos totalmente expostos. Muitos dirão que estamos loucos. Mas aí, com a água já quase na altura do nariz, vem o milagre : as águas se abrem. E, assim, chegamos à terra de leite e mel. LIVRES!

Que este ano, eu possa sair dos meus desertos. Que tenha a coragem de arriscar e fazer aquilo que meu coração manda, apenas acreditando numa força maior. Ainda que minha cabeça insista em me dizer para fazer o contrário, já que “está tudo bem”. Começa hoje mais uma caminhada. 
Uma vez por ano, pelo menos, revisitarei as áreas que me escravizam e pedem coragem.

Apesar das imperfeições, tenho certeza que chegarei a terras de leite e mel. E da melhor maneira: em liberdade.

Happy PassOver <3