FREE YOUR MIND – Como a meditação me ajudou a me libertar dos pensamentos ansiosos

meditacao-mindfullness-lolla-free-your-mind.jpg

A essa altura, você provavelmente já deve ter se deparado com algum texto na internet falando sobre as mil maravilhas da meditação. Que ela melhora as funções cerebrais, combate a ansiedade e até ajuda a prevenir doenças como o Alzheihmer. No entanto, poucos textos que li falavam sobre o enorme desafio que é você adotar uma prática consistente e diária de meditação, sobretudo pelo seu maior desafio: o de não se deixar dominar pelos seus pensamentos.

Fato é que meditação é que nem ginástica: não adianta nada se você não mantiver uma prática constante. Não, uma vez por semana, ou aqueles 2 minutinhos no final da aula de yoga, não vão trazer muitos benefícios à longo prazo. No máximo, poderão te trazer um relaxamento temporário. Para conseguir os verdadeiros e maravilhosos benefícios da meditação, você terá que parar e praticar diariamente. 

O que aprendi, após 5 anos de muito pesquisar e praticar a técnica conhecida como Mindfulness (Atenção Plena), é que o maior benefício da meditação é o de te fazer perceber uma simples verdade: a de que PENSAMENTOS SÃO SÓ PENSAMENTOS. São “eventos mentais”, não são a realidade. E que você PODE aprender a deixá-los ir, e evitar que eles causem tanto estrago na sua saúde emocional. Só fui realmente perceber isso, e adotar a meditação como uma prática diária na minha vida, quando embarquei no curso “Mindfulness em 8 semanas” da School of Life de São Paulo, com o maravilhoso professor Stephen Little. Stephen é especialista em Atenção Plena e budista ordenado, e suas oito aulas foram, para mim, uma verdadeira descoberta sobre o quão poderosa é nossa mente, e sobre o seu incrível poder em nos distrair com ansiedade, ruminações, angústias e com aquela irritante mania de pensarmos sempre no pior. Da mesma forma que sua mente pode ser sua pior inimiga, ela também pode ser sua melhor amiga. Mas para isso, é preciso treinar.

O treinamento básico de mindfulness consiste em sentar-se numa posição confortável (dá pra fazer deitado também, mas as chances de você cair no sono são grandes!), fechar os olhos e simplesmente prestar atenção na sua respiração ou no seu corpo (no curso, treinamos as duas técnicas; eu particularmente prefiro a do foco da respiração). Sim, mil pensamentos virão, “é isso que a mente faz, ela pensa” dizia Stephen. O segredo essa hora é simplesmente não se julgar, não se desesperar, nem pensar “eu nunca vou conseguir fazer isso, não é prá mim, eu sou muito (insira sua autocrítica favorita aqui) etc, etc...”. Isso, exatamente esse julgamento que veio na sua cabeça nesse momento é SÓ UM PENSAMENTO. Deixe ele ir, como nuvens passando por uma paisagem. Volte para a respiração. Você será distraída de novo, e de novo. Deixe os pensamentos passarem, e volte para a respiração. Ah, e uma observação importante: a ideia aqui não é “resolver” os seus pensamentos, e muito menos “controlá-los” ok? Inclusive ODEIO textos que falam que a meditação ensina a “controlar” os pensamentos, pois acho que esse termo dá um aspecto muito duro e rígido para a prática. Não vamos controlar nada, vamos apenas deixá-los ir embora. Eles se dissipam, e você volta para a respiração, e as sensações que ela traz para o seu corpo. Você vai fazer isso, uma, duas, cem, mil vez.  Essa é a lição (ao final das 8 semanas do curso, cheguei a brincar com Stephen que tatuaria as palavras “VOLTE SEMPRE” no braço, de tanto ouvi-lo falar isso, e do quanto essas simples palavras me ajudaram a me manter na prática!)


Ainda está confusa sobre o que é Atenção Plena? Então segue a explicação do próprio Stephen: “Atenção Plena pode ser definida como a arte de permanecer presente no momento, prestando atenção às suas experiências internas e externas, sobretudo corpo e respiração, de forma gentil e curiosa. Resulta de um treinamento pessoal que pode ser aprendido por qualquer pessoa.”


Quer uma dica que eu aprendi, para dar um boost na sensação de relaxamento e paz interior durante a meditação? Tente tornar a sua expiração mais longa do que a inspiração, e tente levar o ar para o abdômen, realizando a chamada “respiração diafragmática” que consiste na seguinte regrinha: quando o ar entra -> o abdômen sai / quando o ar sai -> o abdômen entra. Já reparou em um bebê respirando enquanto dorme? Eles fazem certinho, nós é que fomos nos esquecendo de como respirar, e, conforme a vida foi ficando cada vez mais corrida, passamos a respirar de forma cada vez mais curta e superficial. 


Para terminar, gostaria de te contar um segredo que talvez que faça querer adotar de vez a prática diária da meditação. Se você praticar direitinho, você sentirá alguns benefícios sutis “invadindo” o seu dia-a-dia de uma forma leve, e ficará maravilhada. O mindfulness te ensina a apreciar mais o sabor daquele cafezinho da tarde. A sentar para conversar com um amigo, e realmente escutar o que ele está falando. A sentir uma alegria indescritível com o simples som da risada de uma criança, ou com as cores do céu em um final de tarde qualquer. Essas coisas tão valiosas, que a nossa vida corrida e atribulada nos rouba pelo simples fato de não estarmos presentes para percebê-las, voltarão a te extasiar com uma simples prática diária de meditação. E isso faz todo o esforço valer a pena. 



LINKS DE LIVROS, APPS E CURSOS QUE INDICO PARA QUEM QUER COMEÇAR A MEDITAR

CURSO MINDFULNESS EM 8 SEMANAS – THE SCHOOL OF LIFE

Meditação. Pare. Respire. E Mude Sua Vida” por Alexandre de Santi 

Atenção Plena: Mindfulness. Como encontrar a paz em um mundo frenético por Danny Penman e Mark Williams 

APP HEADSPACE (em inglês)

APP VIVO MEDITAÇÃO (em português)

PLAYLIST DE MEDITAÇÕES GUIADAS DA MINDFUL MAGAZINE (em inglês)