Interview: Nathalie Lenci, Garota das Artes e Co-Founder do Luna Coworking

NATU-LUNA-COWORKING-LOLLA.jpeg

O Lucas e a Nathalie Lenci são um casal de amigos queridos que me surpreenderam quando resolveram empreender juntos.

O Lucas é super fotógrafo que tem um trabalho lindo e a Natu já foi diretora da casa de leilões Christie's no Brasil e hoje continua envolvida no mercado das artes. Foi ficando mais tempo com a família e olhando para outros negócios que ela decidiu que era hora de ter um business próprio e resolveu montar um coworking com o marido.

 Sala de reunião do Luna com uma foto do Lucas Lenci

Sala de reunião do Luna com uma foto do Lucas Lenci

Q. Você trabalha com arte e agora montou um business com o seu marido. Você sempre quis empreender? Como surgiu a ideia do coworking?

Sempre adorei trabalhar com arte mas sempre tive vontade de ter algo meu. Tínhamos um imóvel de família desalugado há um tempo e estávamos procurando opções não tão óbvias como contratar mais corretores...

Observando e estudando mudanças no mercado de trabalho e na economia nacional, o excelente endereço mostrou que o coworking seria uma boa idéia. Percebemos que muitas empresas estão repensando novas formas operacionais: procuram não ficar engessadas em um lugar com despesas fixas muito altas, muitas vezes têm equipes que aumentam ou diminuem de tamanho segundo projetos, startups tendem a começar pequenos com a possibilidade de expandir se der certo ou fechar sem ter problemas de contratos de locação a longo prazo, não querem ter responsabilidades de limpeza, internet, etc.

Com isso a solução do coworking é ótima: você aluga uma sala mobiliada, tem uma boa internet e um espaço limpo e agradável podendo ter uma flexibilidade de tempo de contrato por um preço fixo.

Estudando bem o bairro do Itaim e outros coworkings  sentimos falta de um ambiente menor, com donos presentes, descomplicado e com personalidade. E foi assim que nasceu o LUNA coworking.

LUCAS-NATU-PARIS-LOLLA.jpeg

Q. E como está tocar um business com o marido?

Está sendo muito bom! Dividimos muito a maneira de ver as coisas então facilita muito.

Às vezes no dia a dia discordamos de alguma coisa mas respiramos fundo e deixamos as diferenças no ambiente de trabalho. É um exercício e estamos aprendendo mas está sendo uma ótima experiência.


Q. Vocês dois tem background com a arte, trabalham com coisas sensoriais, com os sentimentos e sensações que a gente nem sabe explicar ao certo. Como é experimentar o outro lado, que é tocar um business que resolve um problema de uma forma super prática como um coworking?


Pois é, mas apesar de sempre trabalharmos com arte nós sempre tivemos um pé mais no chão. O Lucas é fotógrafo mas trabalhou anos como empreendedor na Fotospot - galeria de fotografia - onde fazia desde curadoria até planos de venda, passando por todas as etapas envolvidas. Eu era Diretora da Christie's no Brasil e tinha que lidar com lindas obras de arte mas tinha também muito trabalho operacional de venda, consignações, relações com clientes, planejamento estratégico e muuuitas planilhas...

Q. O que você trouxe da sua experiência com a arte para o dia a dia do coworking?


Acho que sem dúvida trago o senso estético para ambiente do LUNA, e ainda como lidar com clientes exigentes.

Com isso busco sempre a excelência e a satisfação do cliente, sempre procurando um ambiente agradável. O LUNA é provavelmente o coworking mais artsy de São Paulo, só tem foto linda na parede!

Q. Você continua trabalhando de casa naquele home office container incrível?

Sim!!! Anos atrás tive esta ideia maluca e "estacionei" um container em um vaga da minha casa de onde eu trabalhava para a Christie's. Hoje ele continua sendo o meu home office, meu canto, onde resolvo minhas coisas e trabalho remotamente. É ótimo!

Q. Qual a sua estratégia para literalmente "ir para o trabalho" com as crianças em casa?

Esta é sempre uma equação difícil... Fora que eu acrescentaria aí um tempinho para mim ;)

O trabalho do LUNA e o meu trabalho no mercado de artes não tem muita rotina. Cada dia é um dia e eu vou me adaptando conforme as necessidades. Em ambos os casos consigo muitas vezes trabalhar remotamente, estando presente quando necessário. Meus filhos chegam em casa umas 17h30 após as atividade diárias - escola e etc. - e eu tento estar em casa neste horário. Aí eles tem toda a minha atenção até irem dormir. Eu também me programo para deixar minha agenda livre às sexta-feiras para ir buscá-los escola.

Q. Alguma dica de work life balance para as mães empreendedoras?

Eu acredito que sabendo que as crianças estão bem nós, mães, ficamos bem. Acho importante trabalharmos e termos tempo para nós, sem deixar de lado um tempo saudável com os pequenos. Acredito muito naquela história de qualidade vs quantidade. Se eu sei que eles estão felizes na escola, no clube, fico tranquila para fazer o que tenho que fazer (o difícil é quando você tem tudo isso programado e aí eles ficam doente e estragam o esquema....). Ou seja, minha dica é procurar um balance entre a vida profissional e pessoal, sem culpa (sei que não é sempre fácil e continuo aprendendo).



Q. Você voltou agora das férias em Paris. Divide com a gente os lugares mais legais para curtir com e sem as crianças, com ênfase no sem.


Paris é sempre uma delícia! A maior novidade para as crianças este ano foi a reabertura do Parc d'Aclimatation que foi inteiro reformado. Não é um parque muito grande e as atividades são bem lúdicas. Uma delícia para passar um dia com calma.

Outro programa diferente que fizemos foi visitar o Musée des Arts Forains. Precisa agendar uma visita guiada que é um pouco comprida (1h30) mas o lugar incrível!! Tem carrosséis e jogos antigos numa atmosfera genial (dá vontade de alugar para dar uma festa). Lá foi filmado uma cena do filme "Midnight in Paris".



Agora sem crianças, eu aconselho sair andando, "flaner", como se diz em francês.

Um dia ideal seria começar vendo exposições no Centre Pompidou, almoçar no Georges com aquela incrível vista, passear no Marais que tem também o Museu Picasso e a Maison de la Photographie, tomar chá no Mariage Frères ou comer uma bomba de chocolate no Éclair de genie e acabar com um delicioso jantar no tailandês Thiou (que não é no bairro mas é uma delícia).

Q. O que anda lendo?

Estou lendo o livro da biografia da Peggy Guggenheim, colecionadora de arte que viveu uma vida incrível.

Q. Você tem algum ritual para desestressar?

Meu maior ritual é a dança. Todo dia de manhã depois de despachar as crianças para a escola eu danço 1h - 1h30 e só depois começo meu dia. É ótimo para o meu corpo mas é também uma terapia para a cabeça. Começo meu dia renovada. Recomendo!

lunacoworking.com.br







MORE INSPIRING INTERVIEWS