O que as mulheres incríveis veem no espelho?

Audrey Hepburn/Archive Photos/Getty

Audrey Hepburn/Archive Photos/Getty



Quando penso nas mulheres que admiro, elas têm uma coisa em comum: todas se portam como se não estivessem preocupadas com o julgamento dos outros. Já perceberam isso? São totalmente confiantes sobre sua imagem. Isso, na minha opinião, supera qualquer joia poderosa, qualquer sapato de cristal, qualquer bolsa de milhares de euros e straps com apliques coloridos.

Não foi apenas uma vez, mas algumas vezes, que eu planejei com antecedência uma produção para um determinado evento e fiquei em dúvida sobre o peso dos acessórios e do look em geral. Minha preferência, normalmente, é sempre pelo mais simples. Opto por não sobrecarregar marcas importantes numa mesma produção, nem muitas bijoux. Mas essa sou eu.

Voltando ao evento... Não demora muito e encontro uma dessas figuras que tanto admiro. Ela me mostra como é possível brilhar com nada, ou com muito. Do jeito que está. A situação é sempre a mesma: ela não parece ter se planejado, pensado tanto quanto eu. Estava naturalmente “ela”. Essa minha percepção antecede a boa conversa, a simpatia, a cultura e a educação. Um belo cartão de visita. Uma imagem, que por si só, agrada os olhos e desperta interesse.

O que aprendi com isso? Que no momento que fazemos as nossas escolhas, devemos assumi-las e verdadeiramente acreditar que estamos bem resolvidas com elas. A palavra que martela aqui no meu teclado continuamente é ATITUDE. É com ela que tantas mulheres importantes definiram seus estilos e marcaram a história.

Em uma das minhas leituras sobre o tema, no ano passado, encontrei alguns exemplos: Frida Kahlo, Barbra Streisand, Audrey Hepburn. E mais, Michelle Obama, Lady Gaga, ainda mais depois do sucesso estrondoso do filme A star is born. “Mulheres fora dos padrões de beleza à la Gisele Bundchen”, como descreve o livro Estilo e Atitude, Reflexos da moda: sec XIX ao sec XXI. Mulheres que, com muita autoconfiança, destacaram suas qualidades e obscureceram seus “defeitos”. Despertaram grandes paixões. Mulheres admiradas pelo mundo inteiro.

Talvez eu tenha ido longe demais numa discussão que começou com simples escolhas de simples mortais. Não tinha a intenção de banalizar o brilhantismo dessas mulheres imensamente talentosas. Mas, no mínimo, queria chamar a atenção para o fato de que autoestima é fundamental para o desenvolvimento e projeção do estilo pessoal.

Por tudo isso, insisto para que as mulheres invistam além das produções de looks nos seus guarda-roupas e mergulhem em autoconhecimento. Saber como controlar e valorizar nossos pontos fortes colabora, e muito, para o sucesso do que vemos no espelho. Estar confortável com nossas escolhas também. Quando tudo isso acontece simultaneamente, pode ter certeza: vem aí uma explosão de ATITUDE!