On the hunt for the perfect fragrance

perfum-e1503092661113.jpg

perfect fragrance

Eu sempre gostei de comprar colônias menos identificáveis, vivia on the hunt for the perfect fragrance. Apostava sem medo em várias opções mais em conta, tipo os perfumes da Urban Outfitters que dava pra comprar vários e ir trocando conforme o mood porque são baratinhos. Mas nessa época eu não dava a mínima bola para procurar entender porque eles custavam tão baratinho, hoje tenho mais consciencia que um cosmético só pode ser barato se tiver um gap de qualidade, matéria prima e mão de obra que pode custar bem caro lá na frente.

Minha adolescência foi marcada por alguns scents, nunca consegui ser fiel e ter um cheiro meu. Invejo silenciosamente que consegue, minha irmã é assim, usa o mesmo perfume há uns 15 anos. Eu usava por uns seis meses, um ano e enjoava. Os mais marcantes foram o Issey Miyake, Jean Paul Gaultier, o Nina Ricci e o Chloé, minha última experiência com perfumes de grandes marcas que você encontra em free shop. Continuo amando o Chloé, é o cheiro da minha mãe. Mas adotei uma regra: se tem no free shop, não é pra mim.

Eu amo pesquisar, sou meio nerd. Meu momento favorito do dia é quando eu realmente preciso pesquisar e estudar por alguma coisa antes de tomar uma decisão. Não quero facilitar esse caminho comprando um perfume over the counter, feito em lote.

On the hunt for the perfect fragrance

Tenho descoberto novas marcas (ou que são novas só pra mim) e ido um pouquinho mais a fundo no processo de criação e desenvolvimento dessas colônias. Desde que eu comecei a comprar essas outras marcas, descobri algumas coisas deliciosas e algumas frustrações. A maioria dos perfumes que eu gosto tem uma fixação péssima. Tenho que reaplicar algumas vezes por dia pra sentir aquele cheiro bom e isso não é muito pratico. Eu sei que o nosso cérebro se acostuma com aquele cheiro e a gente deixa de senti-lo depois de um tempo, mas isso não acontece em dois dias. Todos os meus da Jo Malone foram assim, o Ambrette da Le Labo também. Agora to intercalando entre o Eau Moheli da Diptyque e o Edition 2 Shiso do Goop. O do Goop foi uma supresa boa na fixação e adoro saber que to usando um perfume com propriedades orgânicas e naturais na composição, mas não amo a essência.

Achei meu componente favorito para um perfume 

Eu descobri que meu cheiro favorito é o musc. E que quase todos os perfumes tem musc na base, ele ajuda na fixação. Mas musc é sintético, o original é de origem animal e foi proibído por motivos óbvios, e sendo sintético ele provavelmente não é a coisa mais ideal para se colocar na nossa pele. Então mais um motivo para eu procurar perfumes que usam musc mas que são produzidos de uma forma mais artesanal.

A Jo Malone não tem nenhum perfume com musc na base aqui no Brasil e nem a Diptyque. Achei um da By Terry na Dominique Beauté que tinha, mas acabou antes de eu comprar.

Pesquisando, encontrei alguns que tinham o componente e o processo de fabricação que eu queria: o Ambrette da Le labo, vários da Byredo - Mojave Ghost, Palermo e Bullion e o Musc Ravageur do Frederic Malle. O da Frederic Malle ta na minha wish list para a próxima viagem.

Alguma dica de perfume de alguma marca menos comercial? Please, share! Aqui tem uma dica boa: você pode estar passando perfume errado a vida inteira. 

BEAUTYby Rosa Zaborowsky