The Home Office Workwear: I am Always Dressed for Skype, Better yet, Instagram Stories.

NinetoFive-work-wear-lolla-home-office.jpg

Recentemente eu e Maria Ruth estávamos debatendo sobre produtividade X trabalhar de casa. Eu e Ruth vamos inaugurar nosso escritório juntas esta semana, Lolla e MR Studio are officially roomies.

Vai ser um exercício aprender a trabalhar com outras pessoas em um espaço pequeno. Eu trabalhei praticamente sozinha durante os últimos 10 anos, tirando alguns curtos espaços de tempo que não somam dois anos quando me aventurei no mundo corporativo do e-commerce, na Dafiti e no extinto e-closet. Em 2013 montei meu escritório em casa atendendo meus clientes de consultoria. Foi lá que eu fiz por Skype uma entrevista para o Jack Vartanian, no meu escritório/closet com papel de parede preto e branco, naquela época o decor da minha casa era totalmente influenciado pela junção de duas estéticas: scandinava + americana, com um toque de kardashianismo, a julgar pelo já dito papel de parede.

Eu estabeleci alguns comportamentos de controle para poder ser produtiva e não me perder em tarefas da casa. Tinha reuniões fora todos os dias e marcava sempre pela manhã, voltava pra casa/escritório depois do almoço para gerar relatórios, fazer pesquisas, etc.

Me obrigava a não ficar em casa de manhã. Alguma coisa com o acordar cedo, me arrumar e sair para trabalhar de manhã, fazia eu me sentir mais produtiva, mais realizada. Desconfio que seja cultural, vi meu pai fazendo isso a vida inteira, então associava que trabalhar certo, era acordar cedo. E como eu não tinha um escritório para ir de manhã, precisava que as reuniões fossem de manhã. Mas com os clientes aumentando, tive que me adaptar a dinâmica de cada um. Alguns clientes só chegavam nos escritórios depois das 12h, alguns preferiam deixar as reuniões de consultoria para o período de tarde, etc.

E foi quando eu me vi de pijama e trabalhando no computador na cama 11h da manhã. Isso me fazia um mal. Arrisco a dizer que me sentia até anti higiênica. Precisava levantar, colocar uma roupa, passar protetor e usar sapato (isso eu faço até hoje) para me sentir parte do mundo das pessoas que trabalham de forma normal.

Fast forward para 5 anos depois disso, os gêmeos nasceram e perdi meu escritório/closet que virou um quarto, fechei minha consultoria e o Lolla nasceu. Nos primeiros anos da vida dos gêmeos, eu me cobrei muito para estar perto deles, o máximo que podia. Quando eles começaram a ir para a escola, montei uma bancada no meio da sala que é onde eu trabalho quando a casa está vazia (às vezes, Socorro que trabalha aqui em casa, me expulsa e me vejo na cama de pijama). Ano passado, o Lolla ganhou um QG e fui para a loja da Bió, minha grande amiga e mente criativa por trás da Mundo Bió, o endereço mais charmoso da Vila Madalena.

A Mundo Bió cresceu e o Lolla também e eu Ruth resolvemos dar esse passo gigante juntas. Mas várias manhãs eu ainda trabalho de casa. Hoje que o Lolla está mais maduro e estabelecido e eu já sei o que eu preciso fazer pra ele rotineiramente, não é mais uma questão se estou de pijama ou não. Isso não afeta a minha produtividade em nada. Acho que eu precisava montar um cenário e colocar um working look para deixar o ambiente propício ao trabalho e raciocínio lógico, porque ainda estava na fase de estabelecer a minha metodologia de trabalho, não sabia por onde começar pra fazer tudo que eu queria fazer e não tinha prazos estabelecidos para nada. E também não via o Lolla como esta plataforma que hoje é o meu trabalho.

Ainda me sinto melhor trabalhando de roupa e não de pijama, mas consigo focar e fazer o que eu tenho que fazer, por uma hora mais ou menos, não pelo dia inteiro. Jamais. Acho que isso é um trigger para evitar a auto sabotagem ou procrastinar. Tomar banho e colocar uma roupa that means business parecem afetar áreas do cérebro que combatem a depressão e a ansiedade, e fazem você se levar a sério. O seu reflexo no espelho afeta a sua autoconfiança de ser capaz de conquistar o mundo ou não, e é melhor estar vestida para isso.

Adicionando tarefas com as crianças, que diariamente ocupam meu tempo com o trabalho de motorista não remunerado, as minhas escolhas de looks são focadas no que eu vou precisar fazer naquele dia. Se preciso levar na natação, Jeans Wedgie Levi's, camisa Etoile's e Converse do the trick. Para os dias sem crianças, arrisco um jeans Sissa, blusa de renda Dôen e um saltinho Mari Giudicelli.

But I am always dressed for Skype, better yet, Instagram Stories.

DRESSES FOR INSTAGRAM STORIES