Women behind the brand: Erica Matusita, do Style Market

IMG_8339-2.jpg
Eu sou super compradora de internet, quem segue o Lolla sabe que eu to sempre dando dicas e indicando lojas e achados de quem empreende pela web. Adoro, principalmente, os e-commerces que se propõem a oferecer alguma coisa fora do padrão que a gente já conhece. Por mais competitivo que seja o mercado de e-commerce de moda, sempre tem espaço para quem pensa fora da caixinha e consegue fazer um mix de marcas e apostas interessantes. Acho que é isso que o Style Market faz de um jeito despretensioso, trabalhando com marcas premium e outras mais comerciais mas não menos desejo. A curadoria de produtos do site é super high low, acertiva, e eu sempre quis conhecer quem estava por trás do Style Market, mais ainda depois que li uma entrevista da Erica contando sobre o desenvolvimento do novo layout do Style Market - me identifico com quem leva o look and feel do que faz tão a sério que quase não consegue lidar quando as coisas não estão ideais.
Entrevistei a Erica para o Lolla com mais uma parceria incrível com o iLove Ecommerce, o resultado você vê abaixo:
Como você foi parar no mundo do ecommerce? 
Trabalhei por 15 anos no mercado financeiro, só em bancos estrangeiros. Em 2010 pedi demissão, sem saber exatamente o que ia fazer, com planos de tirar um período sabático, mas na mesma época fui convidada para ser  sócia na editora e produtora cultural Arte Ensaio, especializada em  livros de arte e infantil, onde fiquei 2 anos em me envolvi em diversos projetos de moda. Quando decidi deixar a editora, tomei coragem e decidi empreender em moda, para decidir em que segmento atuar, pesquisei, analisei mercado e, principalmente, contei com a ajuda de uma profissional de brading. Entendi que, para aquele momento de mercado e seguindo o modelo comercial que eu acreditava e queria trabalhar, a internet era o caminho.
Como as marcas acreditaram na proposta do Style Market? 
Nosso modelo principal de trabalho sempre foi baseado na parceria e nossa máxima é a de que ninguém cresce sozinho. As marcas menores que estão e sempre estiveram com a gente apostaram em um site pequeno, despretensioso onde o importante é o cliente - damos importância  à forma como comunicamos, o cuidado de como apresentamos os produtos e marcas, o carinho que tratamos os nossos clientes - tudo isso conta, nos consideramos representantes das marcas e fazer um trabalho consistente é fundamental para uma marca apostar e entrar no projeto.
Esse é o nosso modelo desde o início e raramente tivemos problema com essa proposta, pelo contrário, a maioria de nossas parcerias com marcas pequenas foram felizes e abriu portas em outros ecommerces para estas marcas e isso me deixa super orgulhosa!
As marcas mais consagradas vieram depois, e foram as próprias marcas que nos procuraram e ofereceram parceria conosco, também apostando no formato de trabalho do SM.
 
É um mercado super competitivo. Os primeiros clientes, vieram da onde? 
O Style Market completa 4 anos em 2017, ou seja, vivemos o boom do instagram, a rede social foi um canal super importante pra conquistarmos os primeiros clientes.
Porque você quis empreender? 
Tinha vontade de ter meu próprio negócio,  como alternativa àquela minha insana vida profissional corporativa (experiência que, mesmo com seus desafios,  julgo importante  e completamente válida pra quem vai empreender). O  Style Market surgiu por duas razões: a primeira, claro, foi pelo desejo de trabalhar  com algo que me identifico tanto que é a moda e a segunda para suprir um gap que eu, particularmente, como cliente de e-commerces, sentia existir, que era de um site menos mecânico que mostrasse ser alimentado por pessoas, para pessoas e que, por outro lado, saísse do óbvio na hora de vender no cuidado com o cliente…
Tem algum lado negativo em ser empreendedora? 
Infelizmente vivemos em um país que não estimula o empreendedorismo. Encontramos serias dificuldades e barreiras para desenvolver o negócio.
Qual foi um momento que você considera como incrível para o seu business?
 
Todos os produtos que lançamos e viraram tendência como as bolsas colombianas, os óculos spektre  e os tops da Hype It em 2013, foram super importantes pra gente, pois foram apostas muito acertadas de produtos pra gente.
O reconhecimento é sempre incrível, fico impressionada quando digo que trabalho no Style Market e a pergunto se a pessoa conhece o site e ela responde: Nossa! É óbvio que conheço o Style Market, é super conhecido!!!
Um momento bacana também foi ano passado, quando um dos nossos concorrentes que, diga-se de passagem é bem maior que nós, mandou uma pesquisa para alguns clientes e dentre as questões eles perguntavam aos clientes o que fazia o cliente optar por comprar no SM ao invés do tal concorrente…bem depois da tal pesquisa eles passaram a vender marcas menores, que eram apostas nossas, começaram a oferecer aos clientes opção de parcelamentos mais longa e começaram a usar as mesmas fontes que usávamos em nossas newsletter. Acho esse um reconhecimento incrível.
Quais as melhores e as piores parte do seu business? 
A melhor parte é receber um elogio de um cliente falando do nosso atendimento e que ela está feliz e realizada com a compra. Eu AMO quando a cliente se sente linda, se identifica com o nosso trabalho e fica simplesmente feliz e satisfeita, acho que isso gratifica e enche muito o coração de quem trabalha com comércio.
A pior parte é depender de serviços de logística no Brasil para entrega e o excesso de burocracia na administração de uma empresa.
Você acha que conseguiu entender um pouco mais porque as mulheres amam shopping
Isso não mudou em nada pra mim, eu sempre consumi moda e sempre entendi o amor pelo shopping como um lado importante da personalidade feminina. Se sentir bonita e feliz com o seu estilo e look não pode ser um pecado…
Me lembro de uma entrevista com você em que fala do look and feel do site e toda a mudança de layout que tinha acabado de rolar. O design e a estética são muito importantes pra mim, a ponto de me desconcentrar e eu não conseguir sair do lugar se as coisas não estão boas como deveria. Com você também é assim? 
Também, sou super exigente com o conteúdo e layout do site. O maravilhoso é que minha equipe também é assim…
O site tem que ter que comunicar de forma clara, coerente e eficiente, pois é o nosso principal contato com o cliente. Trabalhamos com design limpo, imagens bem feitas dos produtos e descrição completa e eficiente dos produtos. 
Você tem algum role model que te inspira? 
Eu gosto muito da historia da Sophia Amoruso do Nasty Gal.
Conta como é um dia típico na sua rotina? 
Quando vc é empreendedor não existe rotina e nem dia típico. Os desafios são diários, portanto não existe rotina. Eu simplesmente preciso de disciplina para equilibrar o trabalho com a minha vida pessoal, pois caso contrário o trabalho consome 24 horas do meu dia.
Quais seus designers brasileiros favoritos? 
Sou fã da coerência do trabalho da Cris Barros, as coleções tem um trabalho incrível de elaboração dos temas, com detalhes únicos e deixando a mulher sempre elegante e feminina.
E a GIG Couture tem feito um trabalho cada vez mais rico de tramas e materiais no tricot.
O que vai ser super tendência no inverno? 
Aposto nas jaquetas estilo bombar e no veludo cotelê (ou popularmente o veludo molhado).
Restaurante favorito em São Paulo? 
Ando super apaixonada pelo menu e ambiente do Chou, em Pinheiros, meu bairro!
Melhor viagem? 
Bali, sempre Bali.
Créditos: Fotos @maaguarnieri // Make @maribaraomakeup // Styling @santosisabela

O “Women Behind The Brand” é uma tag super inspiradora sobre empreendedorismo e mulheres criativas. Para ler outras matérias e entrevistas com founders e creative minds, clique aqui.